quarta-feira, 27 de março de 2013

Flores amarelas

não me deixe neste mundo tão vil. minha querida
não posso suportar esta alucinação sozinha
em um desesperado sussurro que lhe peço
venha ser minha pequenina
andávamos de mãos dadas nas ruas, na pista
não tínhamos medo de morrer, não estávamos sozinhas
não corra para longe de mim, quero você aqui de mãos dadas comigo
entretanto, todavia, porém, não seja só minha,
o mundo deve saber como é ter um pouco de sua alma linda
quero correr até os teus braços e te levantar e te rodopiar
mas não sei se posso, um medo torpe roda sonhe minha cabeça
você é como se fosse um anjo, uma deusa, não quero, não posso e não vou magoa-la...
sentir o que sinto e não poder viver novamente chega a ser triste, loucura. doença
mas o que sinto também é libertador, é incessantemente vivo dentro de mim...
não sei escrever versos bonitos que fazem o "publico" se derreter
escrevo o que penso, sinto e desejo com todas as palavras que o meu vocabulário tem e cria.
(...)
uma luz começou a brilhar no nosso túnel.
não importa se for um trem vindo em minha direção.
é uma esperança, e eu vou seguir por essa direção...




sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Ilumine-se

BRILHE 
Mesmo se você não tiver o poder disso, 
faça algo, ilumine-se, pegue luzes, estrelas, diamantes.
Diamante, brilho único universal, 
reluz a mais perfeita forma de
luminosidade.
BRILHE 




~

 ~ É aquela vontade danada de andar  
de mãos dadas durante o dia  
e de pés dados durante a noite. ~

Soneto de Fidelidade



De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

— Vinicius de moraes

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

suportem-se

o mundo tem centenas de cercas
arrames farpados que arranham a alma
que prendem sem precedentes
não destroem ouro ou prata
mas sim vidas e amores
 se contentam com olhos lagrimados
peles cortadas e olhos furados
comportam-se como animais
na vida vazia e sem graça e rumo
não suportando luz e amor
roubando tudo ao seu redor
não é paz nem é amor
é pura e generalizada guerra precoce!





Ocorreu um erro neste gadget